Você está aqui: Home \ Dicas \ Dicas de Filme

A Negociação

A Negociação

A NegociaçãoPor: Adilson Souza (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)

Um filme extraordinário sobre negociações em ambientes altamente estressantes.

Você terá a oportunidade de compreender:

1) O poder da influência;
2) Planejamento e mapeamento da negociação;
3) Como os negociadores extraordinários estudam fortemente as partes envolvidas na negociação ("oponentes");
4) Controle emocional;
5) O tempo como fator determinante para o alcance de resultados;
6) Liderança e construção de times;
7) Fator Estratégico nas negociações.

 

À Procura da Felicidade

À Procura da FelicidadePor: Rose França (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)

Filme extraordinário para trabalhar valores e competências pessoais e profissionais.Neste filme, Chris Gardner (Will Smith) mostrou de forma prática o que significa acreditar em suas competências e o grande significado do foco e da autoestima no alcance de seu objetivo.

A vida lhe colocou obstáculos duros a serem ultrapassados, desde a dificuldade na venda dos equipamentos de scanner, atividade na qual investiu todas as suas economias, tendo como consequência a falta de dinheiro para cobrir as despesas domésticas, passando pelo abandono de sua esposa, que no auge de sua paciência e compreensão o abandonou juntamente com seu filho, até a fome e a falta de um teto para dormir.

Mas acima de tudo havia uma esperança e principalmente um objetivo a ser alcançado: desfrutar o direito de ter uma vida digna ao lado de sua família. Traçou uma meta como sendo o passo fundamental para sua recuperação: trabalhar como corretor em uma grande corporação, quando essa abriu uma oportunidade.

Apostando e acreditando em si mesmo e motivado por ter claro seu objetivo maior, ele enfrentou as dificuldades com valentia, resistência e muita responsabilidade. A cada dia de trabalho ele mostrava suas habilidades e competências, muita flexibilidade e uma excelente administração do tempo para executar suas tarefas e atingir os objetivos exigidos pela empresa. E mais, ele surpreendeu! Ele acreditou! E conquistou a tão sonhada vaga.

Este filme nos mostra que é preciso acreditar em nós mesmos, pois é o primeiro passo para o sucesso, e que apesar das adversidades é possível alcançar nossos objetivos, mas para isso é preciso também ter muita coragem, comprometimento e dignidade para chegar lá!

Aproveitem, vocês aprenderão muito com esta linda história!

 

Cirque du Soleil - Alegria

Cirque du Soleil - AlegriaPor Adilson Souza (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)

Mágico, fantástico e instigante para compreenderemos a importância da consolidação e manutenção do DNA da empresa, assim como seus elementos de cultura (ritos, rituais, símbolos, heróis, linguagem, etc.).

É extraordinário para entendermos como uma organização pode e deve fazer para alcançar um nível de alta performance. E isso se dá quando passamos a observar os bastidores do Cirque.

Em tempo, que magia é essa que nos transporta para um estado de Alegria?

Ela conduz parte do processo de Gestão de Pessoas, em especial do treinamento e desenvolvimento de talentos e equipes. Há um momento “mágico”, o chamado “Taps Rouge” (Tapete Vermelho) que na verdade é “azul”, em que os artistas se reúnem com a diretora geral e procuram o melhor nível de excelência na performance coletiva.

Pode-se também observar parte da estrutura oferecida, a começar pelas condições de trabalho e clima organizacional.

O título não é por acaso, a alegria é expressa com ALEGRIA nas ações de cada integrante, antes, durante e depois de cada espetáculo.

Vale lembrar, o Cirque du Soleil é sempre reverenciado com uma das empresas mais inovadoras e rentáveis.

OBS: Escrito e compartilhado com a turma do MBA do INPG em Piracicaba (SP) na disciplina Modelos Contemporâneos de Gestão.

Até mais
Beijo no coração
Abraços

 

Cirque du Soleil - Jornada do Homem

Cirque du Soleil - Jornada do HomemPor: Adilson Souza  (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)

Espetacular para refletirmos e entendermos o processo de evolução e desenvolvimento do ser humano. Permite-nos uma viagem interior e também às descobertas e escolhas que temos ao longo da vida. Relata um mundo mágico, instigante e emocionante, assim como pode ser a vida.

Divirta-se, permita-se a essa preciosa viagem.

Até mais.
Beijo no coração.
Abraços

Como Treinar o Seu Dragão

Como Treinar o Seu DragãoUm filme de animação, com personagens de um tempo distante, mas contemporâneos e eternos na sua forma de manifestação das questões culturais, sociais e dos relacionamentos.

A clara inquietação, questionamento e insistência de um jovem em quebrar velhos costumes e grandes paradigmas em sua comunidade, passando por questões como: deixar a zona de conforto, empreender em busca de objetivos e metas, rever crenças e valores, aprendizagem e até mesmo, nos permite circular pela questão do preconceito e inclusão social. Tais aspectos nos fazem refletir sobre a importância de termos clareza dos nossos objetivos, crenças e valores, que é o que nos impulsiona rumo às nossas escolhas, ações e responsabilidades pessoais e profissionais.

Um filme leve, comedido, mas repleto de lições que podemos perceber claramente nas situações vividas no nosso dia-a-dia pessoal e empresarial.

Vale a pena transitar neste universo!

Wal.

 

Dança com Lobos

Dança com LobosPor Adilson Souza (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)

O filme retrata a história de ocupação das terras indígenas pelos “homens brancos”.

É excelente para trabalhar com valores, princípios, estratégias, visão de curto, médio e longo prazo, além de liderança e habilidade de adaptação e estabelecimento do vínculo de confiança.

Mas aqui irei me ater a apenas três aspectos: estratégias, liderança e equipes. O primeiro aspecto – Estratégia – é bastante evidenciado quando o inverno já mostra seus primeiros sinais e a tribo já percebe a escassez de suprimentos (carne e pele de búfalos). Neste momento, a procura por uma manada já durava algumas semanas e o desespero já beirava as famílias daquela tribo, quando, numa determinada madrugada, de uma belíssima lua cheia, os índios em suas ocas foram acordados com um tremor de terra. Era um indício de que alguma manada passava por aquelas redondezas. Os chefes, então, silenciosamente, se organizaram e foram até o topo de uma montanha e assim localizaram a manada. Estavam eufóricos, mas naquele momento não atacaram, pois precisariam observar “quem” era o líder da manada. Essa era a principal estratégia dos índios. E então, localizado o líder da manada, eles o acompanharam e o abateram. Como uma manada de búfalos leva certo tempo para eleger outro líder, os índios teriam tempo suficiente para angariar o que fosse necessário, e somente o necessário, para superar o próximo inverno.

Diante dessa analogia, enalteço o segundo aspecto – Liderança – e podemos então estabelecer uma comparação com a boa parte das organizações, as quais possuem apenas um líder (Equipes de Líder Único): quando você o tem, ótimo! Quando não, há um monte de gente “batendo cabeça”. No entanto, não se pode entender que Equipes (o terceiro aspecto) de Líder Único são ruins. O que define sua qualidade ou eficiência será a situação, por isso também estabelecemos a analogia com a Liderança Situacional.

Em contrapartida, podemos trazer outro modelo: o da disposição dos gansos selvagens, os quais pela própria disposição em “V” conseguem potencializar o vôo e economizar 75% de energia. E também esse modelo não é de todo bom, pois o que define sua eficácia e assertividade é a situação.

E que tal gerar uma fusão dos modelos? Teríamos então o “Vôo dos Búfalos” ou a “Manada de Gansos”. Força, Direção e Flexibilidade.

Saboreiem a história e desfrutem de um filme que também recebeu o Oscar em Fotografia. Vocês entenderão o porquê.

Divirtam-se!
Beijo no coração,
Abraços.

OBS: Comentários e analogias realizados com as turmas da pós-graduação da ESPM na disciplina Liderança e Gestão de Equipes.

 

Duelo de Titãs

Duelo de TitãsPor Adilson Souza (Coach e Palestrante) e Bruno Mathias (Palestrante)

Trata-se de um filme instigante, baseado em uma história real que retrata uma passagem da história americana em que se configuravam os (fortes) conflitos raciais.

O filme permite diversas analogias com o contexto empresarial, dado o momento atual em que grandes corporações se fundem fazendo com que os choques culturais sejam inevitáveis.

Ótimo para observarmos as estratégias no que diz respeito à Gestão de Pessoas, em especial no tocante ao processo de desenvolvimento de liderança e formação de equipes.

Pode-se também evidenciar os estilos de liderança necessários para cada situação, a chamada Liderança Situacional, e, mostrando sua aplicação, o técnico Herman Boone (Denzel Washington) demonstra uma competência fundamental para um Gestor: a identificação de lideranças e talentos.

Como profissional, Boone se encontra em momento crucial da carreira: a chance de ouro lhe é oferecida, e ele sabe que precisa fazer esse momento acontecer da melhor forma.

O ponto principal: o que significa, exatamente, “fazer acontecer da melhor forma”? A correlação com o mundo corporativo nos responde: trazer os resultados. OS MELHORES RESULTADOS.

Alguns dados importantes: ele (Boone) é seguro de si. Sabe de suas qualidades e competências, e define suas estratégias para conduzir o time ao objetivo - ser campeão da temporada. É claro que, primeiramente, ele tem de montar um time, já que o início apresenta um iminente processo de mudanças drásticas para os valores instalados na própria sociedade, e os jogadores, brancos e negros, não se vêem como tal.

É momento de se colocar em prova tudo aquilo que se idealiza. As provocações e circunstâncias o farão sair do caminho (trilho)?

O novo técnico assume também um papel muito maior do que lutar apenas para ser vencedor no campeonato. Ele significa a esperança de toda uma parcela excluída da sociedade: a da população negra. Sendo visto como um “salvador”, ele tem que lidar com altas expectativas de quem o apoia. A pressão, os desafios e obstáculos aumentam.

Boone sabe do que precisa, e utiliza suas melhores estratégias para conseguir. Ele precisa de um time. Um time que não existe, por falta de coesão, de respeito entre todos os integrantes. Essas estratégias adotadas incluem cobrança demasiada, muito treino, e, explicitamente, nas palavras do técnico, autoritarismo. A Liderança Situacional representa as variações no estilo de liderança aplicado, dependendo da situação apresentada, e nos traz questões provocativas. Por exemplo, o autoritarismo é um modelo válido, ainda nos dias de hoje? O seu grupo de liderados, as características do ambiente e o momento vivenciado podem validar esse estilo de liderança?

Se sua resposta for “sim”, acrescente uma variante: o quanto esse estilo, portanto, deve perdurar?

Assim, vemos ser esse um filme muito rico em análises das relações humanas. O próprio contexto particular que envolve os dois técnicos, merece destaque, assim como a análise do papel do técnico auxiliar do time, o que poderá ser feito em outra oportunidade. Descrevemos aqui algumas de todas essas relações, e muitas outras, com certeza, você irá encontrar (e será muito valioso se desejar compartilhar conosco!).

Se você estiver certo de onde quer chegar, suas possibilidades de ser bem sucedido serão aumentadas. E lembre-se: mais importante do que a velocidade é a direção!

Um desafio adicional: Dentre os integrantes do time, um exerce um papel fundamental para a integração de todos. Você é capaz de identificar qual? (Uma dica: não é o líder formal nem dos “brancos”, nem dos “negros”, utilizando essa separação apenas de forma didática, em relação ao que o filme apresenta).

Beijo no coração,
Abraços.

Obs.: Escrito e compartilhado com as turmas dos MBAs da USCS em São Caetano do Sul (SP), na disciplina Estratégias na Gestão de Pessoas.

 

House M.D.

House M.D.Por Adilson Souza e Bruno Mathias

O seriado House (Universal Channel, quintas-feiras, às 23h) é um dos apresenta maior sucesso de audiência atualmente. E não é por menos. A série trata do cotidiano da equipe de um médico (Dr. House) que é gênio em resolver os casos mais complexos de doenças, mas é péssimo no relacionamento interpessoal - ou, ao menos, foge ao que o senso comum considera ser um bom relacionamento. E, já aqui, temos o primeiro tema que vale um olhar crítico sobre a trama. Quanto o bom relacionamento entre as pessoas de um grupo interfere no seu bom desempenho? A resposta para essa pergunta pode ser generalizada, ou o grau de interferência sofre influência das personalidades que compõem esse grupo e da sua identidade como um todo? O bom desempenho de um grupo independente da qualidade de relacionamento entre seus integrantes pode ser perene?

E quando falamos em resultados? Não há como se negar que hoje qualquer ação dentro de uma organização tem seu foco na obtenção de resultados. Eles devem ser planejados e mensurados, para medir a eficácia de cada ação. O seriado, dentro deste estímulo, acaba sendo ainda mais intrigante e até ousado. No ramo da saúde, a obtenção de bons resultados parece ter uma importância mais clara e relevante, pois uma falha pode custar a vida uma pessoa. Assim, essa premissa constitui abertura para que o comportamento das pessoas envolvidas possa ser relegado a um segundo plano? As atitudes podem ser ousadas, a ponto de ferir a ética para que os resultados sejam obtidos?

É, sim, extraordinário e especialmente provocativo para profissionais da Saúde, Business e interessados em Comportamento Humano, além de fantástico para observação de Liderança e formação de Equipes. Traz elementos importantes e fundamentais para observamos raciocínio, visão sistêmica e holística.

Recheado de aprendizado, em especial no que diz respeito a "sair da superfície". Indo além, um mergulho na busca e obsessão em solucionar problemas.

Aproveitem e divirtam-se!
Beijo no coração
Abraços.

Intocáveis

IntocáveisUma história sobre Acreditar, Reeditar e Mudar!

Leveza, criatividade, despojamento, bom humor e simplicidade são alguns dos ingredientes desta história, lado a lado e em contrapartida com a complexidade e seriedade da situação de limitação, dor, indiferença, resistência e medo.

Intocáveis nos permite vivenciar lições como desafios, dificuldades, comprometimento, parceria e superação, mas acima de tudo e na sua forma mais evidente, escolhas.

Um olhar superficial nos faz perceber a feroz realidade e rudeza dos fatos, mas um olhar mais profundo nos faz vivenciar cores e nuances diferentes e possíveis frente à realidade, como tenacidade, flexibilidade mental, empatia e otimismo presentes na relação simples e despojada de preconceitos dos personagens.

Acreditar em si mesmo, no outro e nas novas possibilidades para vencer as adversidades. Reeditar os conceitos, escolher e redescobrir novos caminhos, diferentes e totalmente possíveis. E principalmente mudar a forma de ser e agir no tempo, nos relacionamentos e no mundo para enxergar novas perspectivas.

Intocáveis - uma história provocativa, aguerrida e sensível que vale a pena ser sentida.

Wal.

Mestre dos Mares

Mestre dos MaresPor Bruno Mathias (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)

No período das guerras napoleônicas, um navio inglês é atacado por uma embarcação francesa, mais poderosa e mais rápida, e busca sua superação em uma revanche.

O filme é uma aula de gestão de pessoas, rico nos detalhes entre relacionamento interpessoal, questões de liderança, além de um show de estratégia.

 

Mudança de Hábito 2

Mudança de Hábito 2Por Adilson Souza (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)

O filme retrata uma organização (escola) que, apesar do esforço, não mais consegue responder à "nova geração" de adolescentes talentosos e irreverentes: seus alunos, "Clientes".

O formato, postura e interação dos profissionais (professores) e do corpo diretivo com os seus alunos não conseguem produzir os resultados desejados, e para rever esse quadro convidam uma "professora" diferenciada, que na verdade é uma cantora de boate (a fantástica, irreverente e divertida Whoopi Goldberg).

Um filme extraordinário para trabalhar com mudanças e potencializacão de talentos, além de apresentar elementos e estratégias de liderança, condução e formação de equipes.

Particularmente, esse foi o filme que me fez acreditar em meu talento.

Até mais!

Beijo no coração.

OBS: Analogia e discussão gerada com os alunos do MBA do INPG filial Araraquara (SP) na disciplina Consultoria Interna em Recursos Humanos.

 

Náufrago

NáufragoPor Adilson Souza (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)

Um filme instigante e provocante que nos remete a como devemos trabalhar os nossos limites. E não basta ter contato com nossas limitações, mas essencialmente como e como vamos fazer para superá-las.

O conhecimento adquirido da vivência e observação da realidade podem ser fatores preponderante para o sucesso. Esse talvez seja um dos exercícios determinantes para o alcance de nossas metas.

Desfrute desse belíssimo filme e sobretudo procure entender como você tem lidado com suas superações.

Beijo no coração.
(Escrito em 27/Set/2010 a bordo de um cruzeiro pelas ilhas gregas).

 

O Clube do Imperador

O Clube do Imperador

O Clube do ImperadorPor: Adilson Souza (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)

O Clube do Imperador é um filme instigante e provocante no que diz respeito a didática e métodos de aprendizados e o quanto temos que nos reinventar constantemente.

Além de nos provocar para importantes reflexões no que diz respeito a nossa missão, propósito e valores enquanto professores, assim como, em que pautaremos nossos "ensinamentos". Do que estamos e do que não estão dispostos a abrir mão.

Uma rica e importante reflexão para os professores do presente e do futuro.

Beijo no coração e abraços.

 

O Discurso do Rei

O Discurso do ReiManifestação da consciência crítica pela expressão verbal ou simplesmente a necessidade de se fazer ouvir?

Estas 2 questões estão presentes nesta história envolvente e desafiadora.

Envolvente pelo tema que nos remete aos primórdios da história dos reinados, com dilemas como: obrigações reais, deveres sociais, sucessões, lealdade com o povo e com o pátrio poder.

Desafiadora pela complexidade do personagem “título”, que se vê desafiado por suas próprias limitações e freios mentais, frente a sua maior missão de vida: a de tornar-se um reconhecido e verdadeiro rei.

Auto confiança, auto estima, quebra de paradigmas, mapa mental e desafios, são pontos altos e intensos presentes nesta história.

Aproveitem esta experiência!

Wal.

 

O Preço do Amanhã

O Preço do Amanhã“Se entendermos o tempo como uma extensão de nossas vidas, podemos enxergar também que o tempo é a nossa própria vida!”

Esta afirmação é literalmente retratada no filme O PREÇO DO AMANHÃ.

Onde questões e inquietudes nos são apresentadas, onde o “tempo” aparece como “moeda de troca” com poder de manter a vida e a sobrevivência.

O “tempo” foi bem retratado neste filme de ação. E quanta ação!

A ação do tempo, da falta de tempo, da tomada do tempo do outro e da real e irremediável “perda” do tempo, aquele que realmente é valioso e imprescindível.

O que fazemos com o nosso tempo?

Nós administramos o tempo ou somos “orquestrados” por ele?

Até que ponto nós sabemos e temos consciência da importância do tempo em nossas vidas, que certamente é mensurável. É medido através dos anos de experiência, conhecimentos, aproveitamento, das marcas e da boa utilização dele que fazemos em nossas vidas.

Administrar o tempo seria realmente como “administrar nossas vidas”?

A falta de planejamento e organização do nosso tempo pode despertar em nós sentimentos e inseguranças que podem prejudicar as nossas relações pessoais e profissionais e essencialmente a nossa qualidade de vida.

Pessoal, sugerimos que aproveitem para relaxar e encontrem “um tempo” para assistirem ao filme em seus blu-ray, tv a cabo, notebook, tv de plasma, ipad, dvd etc. e acreditem... “no nosso tempo era diferente”!

Bom filme a todos!

Wal.

Dica: a EstAção RH oferece um treinamento sobre “Gestão Eficaz do Tempo”.

 

O Som do Coração

O Som do CoraçãoPor Bruno Mathias (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)

Ou deveria dizer, "O Som que Emana do Coração, da Alma, da Essência"? Digo isso para traduzir o espírito, a idéia principal deste enredo.

Sem dúvida, o título em português, que em muitas traduções nos decepciona, neste caso é extremamente representativo. O SOM que vem do Coração é o fascinante mundo humano, e seu mistério intrínseco.

Nota-se, entretanto, que o "Som", nesta história, não é a música em si. Esta é, sim, apenas o canal encontrado para externar o que de mais poderoso há em cada um de nós. E, assim, em cada um pode ser representado de forma diferente: pela música, pela escrita, pela pintura, pela escultura, ou pelo esporte, pelo relacionamento, pela vontade de mudar o mundo.

Se você tem afinidade musical, por questões óbvias, pode encontrar uma identificação maior o filme. Porém, isto não é determinante.

Ao assistir a este longa-metragem, pode-se envolver-se com a ideia de que há um certo exagero na evolução musical estupenda apresentada pelo pequeno Evan, personagem central. Não condeno quem assim pensar, nem é intenção deste comentário trazer juízo de valor. Mesmo porque, se considerarmos sua impressionante evolução técnica, essa dúvida é extremamente pertinente. Apenas por contraponto, vale refletir: do que não é capaz um ser humano que canaliza, durante 11 anos, toda a sua força interior para externá-la de um único e claro modo? E, também, para os mais "concretos", Mozart fez suas primeiras composições aos 5 (isso mesmo, cinco) anos de idade.

Mas o que vale este comentário, aqui, não é esta discussão de habilidade técnica, e sim as ideias que o filme nos traz. Mesmo porque, lembremos, é um filme, e, como tal, tem o direito de ser o quão fantasioso ele quiser ser.

Em ideias, conceitos, há uma questão maior do que o explícito poder da vontade humana, do coração, da alma, da intuição. Há a questão da mente aberta.

Uma mente aberta tem um poder extraordinário. É por isso que constantemente nos surpreendemos com as crianças. Elas são livres de padrões e preconceitos. Muitas vezes, se não em todas, a inocência é o veículo em alta velocidade nesta estrada ampla e livre. Vamos ao filme como exemplo: o pequeno Arthur é um belo artista, empolgante, impressionante, um talento raro, sem dúvida. Afinal, quantos garotos conseguem tocar um violão quase maior que ele próprio, com tanta habilidade, em público, cantando (muito bem) e ainda lidando com a frustração cotidiana dos resultados obtidos? Ora, é um talento nato.

Sem dúvida o é. O que está em questão aqui é não é o conceito de talento em si, mas sim o conceito de talento organizacional. Este é aquele capaz de juntar seus pontos mais fortes à obtenção de resultados.

Não estou dizendo para eliminar todos os "pequenos Arthur" das organizações.

Pelo contrário. Ele representa a falta de treinamento, direcionamento, que é outro assunto rico a tratarmos em uma próxima ocasião. Aqui pensamos nos motivos desta diferença.

Por que Evan, ou August, consegue os resultados? Porque ele é capaz de unir suas maiores competências (pontos fortes) à sua mente aberta. Com isso, ele cria uma técnica própria, um algo a mais, um diferencial em um mundo de tanta concorrência, que cansa os "Clientes" de tanta mesmice.

É quando o TALENTO deixa de ser criativo e passa a ser INOVADOR.

Inovação não é um assunto da moda, apenas. Quer dizer, assim o é para aqueles que não conseguiram ainda entender sua essência. Assim como assistir a esse filme. É fácil assisti-lo e deixar passar despercebido o seu fundamento, seu motivo de criação, no contexto romântico e nos acontecimentos que a própria coincidência duvida. Mas, quem quiser transformar este simples ato de passividade, pode interagir de forma profunda com sua história.

E este é apenas um alento para despertar essa ATITUDE.

 

Patch Adams: O Amor é Contagioso

Patch Adams: O Amor é ContagiosoPor Adilson Souza (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)

Trata-se de um filme instigante, de ótimo humor e de uma sensibilidade extraordinária. Baseado em uma história real a qual retrata a trajetória do renomado médico Hunter Adams, vivido pelo fantástico Robin Williams.

O filme apresenta aspectos importantes para uma análise do contexto empresarial, em especial no que diz respeito, quebra de paradigmas, autoconhecimento, criatividade, atendimento, inovação, influência e persuasão, envolvimento, comprometimento, empreendedorismo e Liderança Empreendedora, e é claro com uma alta dose de humor.

O filme tem início no inverno, estação essa que provoca um movimento para dentro, momento em que a natureza se recolhe e se preparar para trazer em sua próxima estação um de seus encantamentos, a florada.

Diante de um quadro depressivo e sem conseguir encontrar um rumo para sua vida e também fugindo dos padrões convencionais Patch toma uma decisão inusitada, resolve por conta própria se internar num hospital psiquiátrico. Com o propósito de buscar ajuda e de se encontrar, contudo, deparasse com um ambiente que irá fomentar sua criatividade, “loucura” e genialidade, passando então a experimentar um mundo novo e cheio de possibilidades.

Seus experimentos trás em sua essência uma obsessão por resultados (melhoria da qualidade de vida dos pacientes), assim como, suas convicções demonstram que o amor e o humor são ingredientes fundamentais para o alcance desse e de outros resultados.

Divirta-se, pois esse filme te proporcionará uma visão ampliada sobre pessoas e a melhor relação que podemos estabelecer com elas, pois uma coisa é certa: o Amor é verdadeiramente Contagioso!

Beijo no coração.

 

Ritmo Total

Ritmo TotalPor Adilson Souza (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)

O filme retrata uma organização (escola de música – banda/fanfarra) que tem seu estilo próprio, mas a alta cúpula cobra de seu regente (maestro) mudanças para alcance de melhores resultados nos concursos de bandas. No entanto, o maestro se vê diante de um dilema: como mudar sem abandonar os seus valores, estes que demandaram toda uma história para se consolidar.

Como de costume, muitos talentos pleiteiam uma vaga nessa conceituada escola e naturalmente torna-se óbvio o surgimento de novos talentos. Neste cenário, surge um jovem diferenciado, habilidoso, irreverente, inteligente e ousado, e, é claro, com talento musical muito, mas muito, acima da média.

Um filme extraordinário para se trabalhar estratégias para desenvolvimento e lapidação de talentos e lideranças, além da formação de equipes e da necessidade de manutenção e defesa dos valores organizacionais.

Sugestão: Quando observarem uma ação de liderança, ao invés de criticar a ação do líder, pergunte: “O que o líder quer com isso, quais as competências que ele está querendo desenvolver com o liderado?

Até mais,
Beijo no coração.

OBS: Analogia e discussão gerada com os alunos do curso de pós-graduação da ESPM em São Paulo (SP) na disciplina Liderança e Gestão de Equipes.

 

Um Domingo Qualquer

Um Domingo QualquerPor Adilson Souza (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)

Fantástico filme do ponto de vista de liderança, estratégias, desempenho em equipe, coaching e conflitos (antigo x novo).

Traz em seu papel principal o extraordinário Al Pacino (treinador), que já não mais consegue trazer os resultados esperados pela organização (Sharks – time de futebol americano). Visto como ultrapassado e resistente as mudanças, Al Pacino se vê ao meio de fortes conflitos com a atual presidenta da empresa, Cameron Diaz, a qual herdou a empresa e pretende “fazer dinheiro” num espaço curto de tempo, por isso exige resultados no curto prazo para que a organização seja valorizada e possibilite uma melhor proposta de compra.

Em um dos jogos do campeonato, o treinador se depara com uma situação caótica, na qual perde (por contusão) dois dos seus principais jogadores e assim, “saca” sua última possibilidade, Been (Jamie Foxx), um jovem desatento e desmotivado, no entanto, talentoso e com habilidade para driblar seus adversários.

Apesar do talento e habilidade, Been ainda é imaturo e incorre na mesma problemática da maioria dos jovens líderes emergentes, dificuldade em lidar com o “antigo” e visão de médio e longo prazo, somado-se a isso, apresenta duas características muito comum às novas gerações, o hedonismo (necessidade em ter prazer aqui e agora, resultados e satisfações rápidas) e o narcisismo (o eu no centro do mundo: primeiro pra mim e depois pra mim também!), duas características de caráter individualista. Entretanto, o futebol americano é um esporte coletivo em que a competência fundamental é o espírito de equipe.

Mesmo assim, Been consegue se destacar e alcança rapidamente a fama, o que acentua as características mencionadas anteriormente.

Percebendo que o Capitão (Dennis Quaid), já não mais apresenta condições físicas para continuar a frente da equipe, o treinador então procura se aproxima de Been, mas não obtêm sucesso para conscientizá-lo da importância do seu papel enquanto líder, assim como, da importância do espírito de equipe. Diante disso, num movimento estratégico, o treinador procura o Capitão e lhe propõe um pacto: liderar o time por mais um jogo, cujo propósito é fazer com que o Been observe e perceba o que É e COMO Liderar.

Alguns acontecimentos irão fazer com que Been reveja seu papel e postura diante de si e da equipe.

Para finalizar o treinador (coach) Al Pacino, que já tinha os dias contados na organização, apresenta em sua despedida, um golpe de mestre, demonstrando assim que Liderança Coach é para poucos.

E aí é só curtir cada pedacinho precioso desse filme e relacionar com os modelos de desenvolvimento de liderança e equipes que as empresas aplicam e certamente lhe trará algumas reflexões e questionamentos importantes para a melhoria desses programas.

Divirta-se!

Beijo no coração.

 

Um Senhor Estagiário

Um Senhor Estagiário

Um Senhor EstagiárioPor: Wal Silva (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)

Transições da vida, oportunidades, medo, experiência, maturidade, vivência, dificuldades, sensibilidade, preconceitos, crenças e compartilhamento são alguns dos aspectos muito bem delineados e com atuações impecáveis nesta “estória” ou seria “história”?!

Além de inteligente e com boa dose de humor este filme nos coloca de frente com os dilemas presentes no universo corporativo e na própria trajetória da vida, porque sempre é tempo de começar, recomeçar e perseverar.

A diversidade é real, existe e será sempre presente e quando bem direcionada e em prol de unir forças e capacidades para se atingir metas, mostra um caminho claro e possível de ser trilhado e compartilhado.

Viva as diferentes capacidades e possibilidades que há em cada um de nós...ao nos valorizar, reinventar, recomeçar e compartilhar!

Profissionais e organizações se reinventando e superando barreiras com auxílio das ações de educação corporativa, coaching, mentoring e outras.

 

Um Sonho Possível

Um Sonho PossívelUm filme baseado em fatos reais relata muita ComoçÃo, SuperAção e DeterminAção pelo "Big Mike" (Michel Oher), ator principal da trama.

Michel Oher (Quintos Aaron) era um jovem negro, filho de uma mãe viciada e perdida no mundo, não tinha onde morar. Com boa vocação para os esportes foi visto pelo Leigh Anne Tuohy (Sandra Bullock) Andando em direção ao estádio da escola para poder dormir em um lugar mais quente. Michel Ou Big Mike como era conhecido no filme, foi convidado para dormir na casa de Leigh que por sinal era uma família muito rica, oque ele não sabia era que aquela noite poderia mudar a vida de todos inclusive de Michel, que mais tarde se tornaria um astro do futebol americano.

O filme demonstra como os talentos podem ser descobertos e quanto potenciais pode ser colocado a favor de uma equipe, o contraponto disso nos remete a uma importante reflexão: Quantos talentos são esquecidos nas organizações ou estão jogando em "posição errada"! Descobrir o próprio talento é um exercício um tanto quanto desafiador para grande maioria dos profissionais, no entanto, é crucial para sua realização, desempenho e performance profissional e pessoal.

Veja aqui a concretização de um Sonho: Clique aqui

 

Virando o Jogo

Virando o JogoPor Adilson Souza (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.)

O filme retrata uma organização (time de futebol americano) bem sucedida em que os atletas profissionais resolvem fazer greve reivindicando melhores salários. No entanto, o Presidente do time não está disposto a ceder, em especial por que percebe que os seus atletas abandonaram valores importantes da empresa e resolve radicalizar e contrata um novo coach (Gene Hackman – treinador McGinty) para o time, dando-lhe carta branca para montar o time que quiser e como quiser, desde que ganhe 3 das 4 partidas finais (Meta).

Um extraordinário filme para compreendermos o que os talentos são capazes de produzir, isso se colocados na posição certa e estimulados por aquilo que têm de melhor.

Pode também ser visto sobre o prisma do resgate de valores, em especial quando os valores de um determinado grupo passam a ser tão somente o valor econômico/financeiro.

Serve também para observarmos as estratégias utilizadas no que diz respeito à gestão de pessoas.

Além do mais, traz exemplos fantásticos sobre diversidade, desenvolvimento de potencialidades, como e o que fazer para resgatar o melhor de cada um (“retirar de pessoas comuns o incomum”). Isso por si só já seria desafiador. No entanto, a grande maioria dos convocados é vista como "repleta de fracassados".

Um exemplo que nos instiga a pensar e repensar as convicções que temos a respeito de nós mesmos e também em relação aos outros, visto em especial com o despertar da liderança do Shane Falco (Keanu Reeves).

Uma referência de como desenvolver equipes e potencializar a diversidade.

Traz de carona uma boa dose de estratégia e humor.

Divirtam-se!
Beijo no coração,
Abraços.

Conecte-se conosco

Inscreva-se para receber nossa newsletter

Sobre Nós

Trabalhamos com desenvolvimento do potencial humano, utilizando coaching e mentoring, a fim de que os resultados almejados por nossos clientes sejam alcançados.

Quem está online

Temos 340 visitantes e Nenhum membro online